sábado, 29 de abril de 2017

REALIDADE E IMAGINAÇÃO

"Os problemas do mundo possivelmente não podem ser resolvidos por céticos ou cínicos, cujos horizontes se cingem às realidades óbvias. Precisamos de homens capazes de sonhar com coisas que nunca existiram" – John F. Kennedy.

Uma das muitas funções do escritor sério – e que talvez sintetize todas as demais – é realçar para o leitor algum aspecto da existência, ampliando-lhe a percepção da realidade.

Para um escritor, a imaginação funciona como um sexto sentido para explorar as possibilidades da existência: um sentido extra que vê o que os olhos não veem, que escuta o que os ouvidos não captam, que fareja o que escapa às narinas, que saboreia o que é inacessível à língua e que experimenta aquilo que a pele nunca sentiu. Essa é a essência do ofício literário, de modo que, para se manter vinculado à realidade, um escritor precisa cultivar assiduamente a imaginação – e, se quiser escrever boa ficção, deve ter, ou ao menos estar buscando, profunda compreensão acerca do mundo real.

domingo, 9 de abril de 2017

ROSTOS: conto de horror e loucura baseado em fatos reais


Encontrei o conto abaixo esquecido em meio a alguns manuscritos pessoais, e, por ele ser bastante curto, resolvi postá-lo aqui no blog para vocês. "Rostos" só não está presente no livro A Caixa de Natasha e outras históriasde horror porque eu o escrevi depois de ter concluído o livro, mas gosto bastante desse conto, em toda sua simplicidade e esquisitice. A história, escrita em primeira pessoa, aborda a paranoia e o desespero de um narrador atormentado por estranhas visões de rostos deformados e foi inspirada nas perturbadoras imagens do filme Alucinações do Passado (Jacob's Ladder, de 1990), bem como nas bizarras pinturas de Francis Bacon. Além disso, seu tema central provém de um incidente ocorrido há algumas décadas na cidade de Tabapuã-SP, onde nasci e vivi até a adolescência.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

EM DEFESA DOS ESQUECIDOS


"Na França eu sou considerado um artista; na Alemanha, um cineasta; na Inglaterra, um autor de filmes de gênero; nos Estados Unidos, um vagabundo" – John Carpenter.

Uma parte significativa das mais altas conquistas da sétima arte proveio dos filmes de terror, em especial no que diz respeito a fotografia, efeitos sonoros, iluminação, movimentação de câmera e montagem. Uma quantidade gigantesca dos mais inventivos prodígios registrados em imagem e som para fins de pura diversão (o que talvez seja a mais autêntica forma de arte) está em filmes trash, de kunf fu, em faroestes e comédias non-sense. Contudo, muitas dessas obras que representam o ápice da imaginação humana, transbordantes de paixão e explosivas em criatividade, nunca ganham prêmios importantes e raramente constam em mais do que breves notas nos livros de História do Cinema.